top of page

coisas de acender

  • Começa em: 16 de mai.
  • 240 Reais brasileiros
  • online

vagas disponíveis


programa

Quem escreve pode tremer, mas o verso, depois de escrito, se fixa. E se já não treme, brilha. Palavras pensam, sugerem, pedem para serem lidas. E faíscam. O que acende um verso? Temos alguns palpites. De que é feita a distância entre quem lê, ou escreve, e a superfície do texto? Não sabemos, mas vamos investigar. É esse desejo de pesquisa que esta oficina de poesia propõe instigar. Vamos ler e escrever poemas que traçam percursos de investigação, pensamento, susto, dissolução, saídas de si, enquanto elaboram as sensações. Nesta oficina, tomaremos a escrita e a leitura enquanto formas de pesquisa prática: encontrar e abandonar objetos, testar métodos, fazer listas, linkar referências. Ideias sobre som, imagem, sentido, preparação, distração, sistema, fragmentos serão apresentadas nos encontros. Leremos poetas como Nikki Giovani, William Carlos Willians, Maria Bethânia, Marília Garcia, Adília Lopes, Cheryl Klarke, Sophia de Mello, Drummond, MarinaTsvetaeva, entre outros. * Ana Luiza Rigueto é poeta e pesquisadora. Mestre em Ciência da Literatura (UFRJ), atualmente pesquisa poesia contemporânea pelo mesmo programa de pós-graduação. Além da escola da palavra, ministrou oficinas livres de escrita em instituições como UFRJ, Uerj e Centro de Artes Hélio Oiticica. Colaborou com veículos especializados em literatura e cultura como Revista Continente, Jornal Rascunho e A Palavra Solta. Publicou "Entrega em domicílio" (2019), “teatrinho” (2021) e "Bodybuilder" (2023).


sessões


bottom of page