top of page

disponível online

exercícios para a isostasia

com Gabriela Perigo

  • Data de início 15 de fev.
  • A partir de 5 Reais brasileiros
  • online

vagas disponíveis


programa

1 encontro lendo 'As mulheres de Tijucopapo' de Marilene Felinto A geografia e o olhar geográfico podem caminhar juntos, ou mesmo ampliar, nossos estados de criação e práticas artísticas? Como manusear essa matéria - espaço - que todo dia habitamos e atravessamos mas que também nos atravessa de volta? O mote dos exercícios para isostasia é que olhemos para a cidade, nosso entorno, nossos trajetos e circuitos em fricção com processos criativos. A partir de dispositivos inventados e que se apoiam na geograficidade das coisas, convocamos os mapas a se sobreporem, a escrita a caminhar junto do olhar, a nos reinscrever no espaço, a recobrar a rua, e a mastigar o território. Neste encontro único de fevereiro, caminharemos junto à escrita de Marilene Felinto para realizar o trajeto. A escrita de Marilene Felinto em 'As mulheres de Tijucopapo' ancorou e deu forma a muitos pensamentos e desejos que cultivo nessa aproximação que há anos tento entre a geografia e a escrita. O livro me foi sugerido, de forma certeira, por uma nova amiga e brilhante jornalista, Thais Regina. A leitura me tirou do eixo e desde então recomendo o livro a todos com anseio de movimento e fúria. A proposta de leitura de pedaços do livro, bem como a produção de poética a partir de sua relação com os desejos de espaço e das territorialidades particulares de cada participante, pretende ampliar as possibilidades e as percepções de nossos corpos no mundo. Rísia sente fome, raiva, saudade, desterro, mas caminha numa BR na direção contrária ao fluxo mandatário do capital. Que contato - e como - podemos fazer com esse estado de pertencimento e estranhamento com o espaço e o território? gabriela, 27, suburbana. formada em geografia pela universidade federal fluminense, atua como produtora, artista interdisciplinar e poeta. interessada no fazer coletivo, iniciou sua trajetória no campo das artes e cultura junto ao coletivo Norte Comum, em 2011. de lá para cá foram diversas empreitadas. recentemente lançou a plaquete "e st ou vi va" pela editora 7letras e o projeto "a saga" pela editora garupa. no último ano realizou a oficina laboratório de poesia, convocando todes interessades a pensar edição e crítica em suas próprias produções, ao final dos encontros um site foi criado para abrigar o trabalho desenvolvido (https://oficinalaboratorio.hotglue.me).


sessões

bottom of page